9 Regras de ouro para aprender a falar a mesma língua que seu filho adolescente

Publicado por Equipe em


Certamente já aconteceu com você mais de uma vez que, quando você conversa com seu filho adolescente, parece que vocês falam línguas diferentes. 

Parece que um abismo os separa, mas eles realmente não são muito diferentes de como éramos na idade deles. É uma fase difícil, com muitas alterações físicas, psicológicas e hormonais. Ser adolescente não é fácil, é ser pai e mãe é ainda menos.

Tem algo que pode nos ajudar a entendê-los e que é lembrar quando tínhamos 15 anos, o que sentíamos, como vivíamos as coisas, tudo era muito exagerado, o ruim era muito ruim e o bom era muito bom, os amigos eram muito amigos ou eles eram os piores dos inimigos. Tudo se vive nos extremos.

Entender o que eles sentem nos aproximará do que eles pensam. Hoje, vou descrever as regras básicas para conseguirmos falar a mesma língua que nossos filhos adolescentes, leia atentamente e experimente na sua casa.

1. Evite sermões

Passamos o dia dizendo como eles devem fazer as coisas para que não cometam os mesmos erros que cometemos. Quando nossos filhos nos explicam algo sobre suas vidas, nossa primeira reação não pode ser censurá-los, dar um sermão ou dizer o que deveriam ter feito…

Isso corta toda a comunicação com nossos filhos pela raiz. Devemos evitar sempre fazer um sermão. Tudo bem se eles cometerem um erro. 

Se nos controlarmos e deixá-los falar, podemos nos surpreender com sua maturidade, eles podem já ter aprendido a lição e, portanto, o sermão não será necessário.

Podemos perguntar como eles se sentem e como planejam consertar e oferecer ajuda se precisar. Assim, garantimos que, quando eles tiverem problemas, poderão contar conosco novamente.

2. Ouça com atenção

Há um provérbio chinês que diz que temos dois ouvidos e uma boca para ouvir o dobro do que falamos. Quando o nosso filho quer falar com a gente é porque precisa naquele momento, não pode esperar. 

Devemos parar o que estamos fazendo e ouvir atentamente o que eles têm a nos dizer. Assim sabemos bem o que está acontecendo com ele, o que ele sente e o que o preocupa. 

3. Conte suas histórias

Diga a ele: quando eu tinha a sua idade, havia um amigo meu da classe que… e você vai ver como atrai a atenção do seu filho. Mais do que um sermão vazio, dê a ele uma experiência de si mesmo, explique o que você fez e como se sentiu. Fale sobre emoções, eles se entendem muito melhor do que sermões.

4. Crie espaços de comunicação

Comer em família, ir ao cinema juntos, compartilhar um hobby ou acompanhá-lo a uma atividade extracurricular são momentos que promovem a comunicação. Se você gosta desse tipo de reunião em casa, será muito mais fácil conversar com seu filho.

5. Tudo o que importa para seu filho é importante

Quando eles nos explicam algo que aconteceu com eles, devemos entender a importância de prestar atenção, se eles estão contando algo, é porque aquilo é importante para eles.

Tudo o que é importante para nossos filhos importa, mesmo aos olhos de um adulto, ser um fato insignificante. Devemos ouvi-los e dar a importância que isso tem para eles.

6. Não grite

Não devemos usar a gritaria para impor as regras, pois isso vai provocar mais raiva e mais rebeldia no adolescente. Na adolescência eles começam a usar suas mentes como a de um adulto. Devemos explicar as regras, concordar com elas e até negociá-las.

Se quando nosso filho nos conta algo que fez de errado no colégio, a primeira coisa que ouve são nossos gritos e nossas reprovações, só conseguiremos uma coisa: Que eles nunca mais nos contem nada!

Um adolescente valoriza muito ser tratado com respeito e gritar é o pior desrespeito que podemos mostrar a ele.

7. Não compare

Não os compare com seus irmãos ou amigos. Quando os comparamos, estamos dizendo a eles: “Não gosto de como vocês são, outros fazem melhor.”  Isso não motiva, ao contrário, gera pouca vontade de melhorar, pois rotula a pessoa.

Mas se você disser a eles: “Eu sei que você pode fazer melhor”, você está dizendo a eles que confia na capacidade deles de fazer as coisas bem e isso os move a mudar, isso os motiva a obter a melhor versão de si mesmos.

8. Não interrompa

Deixe terminar, não vá em frente mesmo sabendo o que vem depois da primeira frase. Se você não o deixar terminar, ele nunca se sentirá ouvido e você constantemente o fará se sentir julgado.

9. Não se esqueça de que ele não é mais uma criança

Trate-o como um adulto, especialmente na frente de seus amigos. Evite dar sermões ou criticar na frente das pessoas. Respeite seu espaço pessoal e suas opiniões, quem sabe, talvez ele tenha razão e você deva mudar seu ponto de vista.

Demonstrações de afeto são a melhor comunicação não verbal que podemos oferecer aos nossos filhos, mas lembre-se de nunca fazer isso na frente dos amigos!

Coloque essas dicas em prática e você verá como tudo será diferente no seu relacionamento com seu filho adolescente.


Categorias: Família

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *