5 Lições de vida que Stephen Hawking nos deixou

Publicado por Equipe em


Aos 76 anos, o grande físico Stephen Hawking disse adeus ao mundo. 

Uma das grandes lições de Stephen Hawking foi a formulação e criação da Teoria do Big Bang sobre a origem do espaço e do tempo, mas também ajudou o conhecimento dos buracos negros. Seu pensamento também deixou lições de vida além da ciência. 

Sem dúvida, um dos homens mais brilhantes de grande parte do século XX e XXI. O autor de A Brief History of Time (1988) não apenas nos ensinou o que havia dentro de um buraco negro ou as possíveis maneiras de viajar no tempo; Ele também nos deixou lições de vida que vão muito além de seu trabalho intelectual inatingível.

Aqui estão as 5 lições mais valiosas que o físico britânico nos deixou:

1. Para nunca desistir

Hawking foi diagnosticado durante sua juventude com uma doença degenerativa grave, esclerose lateral amiotrófica, e a partir desse momento ele mudou sua visão da vida e suas aspirações para sempre; entretanto, isso nunca foi um obstáculo para ele ou sua mente. 

A partir de então, o físico entendeu que deveria enfrentar a vida com uma atitude diferente e apesar da doença aos poucos ter roubado sua capacidade de andar, mover-se e até falar, graças a ela ele teve a oportunidade de se dedicar totalmente à pesquisa sobre o que ele realmente amava.

2. Que nem tudo se aprende na escola

Pelos cálculos de Hawking, durante sua estada em Oxford, o físico investiu cerca de mil horas estudando fora das aulas. Esse número dividido por seus dias na universidade dá um total de uma hora por dia, uma média insignificante para o que um estudante universitário deve estudar. 

Hawking afirmou que dar o seu melhor em cada matéria, tentar obter as melhores notas e ler cada texto que fosse colocado na sua frente é uma verdadeira perda de tempo. O melhor é se dedicar às paixões, se concentrar no campo de estudo e tentar colocar cada ensinamento em prática na vida real, não apenas refletido em leituras e milhares de folhas.

3. Para ser realista, por mais difícil que seja

Como um homem de ciência, Hawking se conduziu com o mais severo ceticismo de toda a sua vida. Ele sabia que o dia de sua morte chegaria, mas não tinha nenhuma evidência para acreditar que um ser onipotente ou algo semelhante o aguardava no final de sua vida. 

Em vez disso, ele era um homem profundamente grato por esta vida e pela oportunidade de aprender um pouco mais sobre o Universo através da ciência: “Todos são livres para acreditar no que quiserem e do meu ponto de vista, a explicação mais simples é que Deus não existe. Ninguém criou o Universo e ninguém dirige nosso destino. Isso me leva a uma profunda compreensão: provavelmente não há céu e nenhuma vida após a morte. Temos uma única vida para apreciar o grande design do Universo e sou muito grato por isso.”

4. As ameaças ao nosso planeta e como cuidar dele

Hawking foi um homem consistente que manteve uma voz crítica em todos os momentos. Durante seus últimos anos de vida, o físico de Cambridge não hesitou em afirmar repetidamente em cada uma de suas apresentações públicas quais eram os riscos que poderiam colocar a civilização em perigo. 

5. O lugar mais lindo de todo o Universo é o nosso planeta

O lugar onde apareceu a primeira molécula orgânica, célula, ser vivo e o desenvolvimento de algo tão complexo como a consciência humana com todas as suas dúvidas e invenções foi sem dúvida o lugar preferido de Hawking em todo o Universo. 

A Terra sempre será o ponto de partida para uma espécie que cresceu aos trancos e barrancos e compreendeu alguns fenômenos que a cercam, enquanto sua curiosidade inata a leva a pensar que haverá além das estrelas.

Santa Bárbara, Califórnia, é o lugar que Hawking sempre carregará com ele em suas memórias, já que ele passou um tempo muito feliz lá com sua família antes que sua doença degenerativa o fizesse perder as habilidades motoras.


Categorias: Reflexão

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *